Impactos das reformas trabalhista e previdenciária são debatidos em Salvador

25 de agosto de 2017
Fonte: Ascom Força Sindical BA

 

 

Uma grande reflexão sobre as consequências das alterações na legislação  do trabalho e da previdência foi feita durante o Seminário “Os Impactos  das Reformas Trabalhista e Previdenciária na vida dos Trabalhadores eSindicatos”, realizado ontem, 24 de agosto, das 13h às 18h, no Hotel Portobello, em Ondina, Salvador.

Promovido Força Sindical Bahia, o evento ficou com o auditório lotado  os participantes tiveram a oportunidade de assistir as palestras de Sérgio  Luiz Leite, Serginho – Presidente da FEQUIMFAR e 1º Secretário da Força Sindical Nacional; de João Carlos Gonçalves, Juruna – Secretário-geral da Força Sindical Nacional; de Gustavo Palmeira, técnico do DIEESE; e de Flavio Cumming e Golda Mazur, Advogados do Sintepav BA.  O Seminário ainda contou com a participação do vice-presidente da Força Sindical BA e presidente do Sindnapi BA, Nilson Bahia; de Irailson Gazo, Presidente em Exercício do Sintepav BA; de Márcio Fatel, presidente da Fecombase; e de Ana Georgina, Supervisora técnica do Dieese.

Os trabalhadores sabem que é preciso fazer o debate e pensar o futuro do movimento sindical. A reforma trabalhista está posta e a classe  trabalhadora tem a necessidade de definir qual será a sua estratégia. Para Emerson Gomes, não há transformação ou possibilidade de garantir os direitos dos trabalhadores se não existir mobilização e organização. “Muitos nem entenderam a dimensão dessa reforma e só vão sentir o reflexo delas daqui há um ano ou dois. Precisamos fazer essa disputa com o patronato, porém mais organizados e embasados”, disse Emerson.

 

   Atuações: Dieese e Força Sindical Nacional

  

Os trabalhadores estão enfrentando duras batalhas. Essa visão também é a da Supervisora técnica do Dieese, Ana Georgina. Para ela, uma das formas que facilitam a luta contra essa guerra é ter conhecimento. “Sem formação e informação não vamos conseguir enfrentar os ataques aos direitos. O Dieese está à disposição para ajudar na luta dos trabalhadores”, finalizou.

Sabendo dessa guerra citada por Ana Georgina, a Força Sindical luta diariamente contra a retirada de direitos dos trabalhadores. Dois secretários nacionais que estão diretamente ligados à essa batalha, Juruna e Serginho falaram para os trabalhadores baianos.

Juruna afirmou que veio à Salvador para dialogar, ouvir e dar  informações. “A ação sindical é que faz a diferença em qualquer momento da nossa vida. A nossa história nunca foi fácil, sem enfrentamento. Essa realidade chacoalha a nossa responsabilidade. A CLT só vale se tivermos uma organização sindical no local de trabalho. Nenhuma Lei é respeitada se não houver sindicato, se não houver organização”, falou Juruna.

De acordo com Serginho, foram levados vários exemplos de medida  provisória que tinham prazo para entrar em vigor, mas que foram modificadas antes da hora, quebrando o argumento de quem é contra a uma MP sem que a lei tenha entrado em vigor. “Queremos uma MP para ontem. Na próxima terça feira (29) terá uma reunião com os líderes do centrão com os Presidentes da República e o da Câmara para ajustar o calendário da medida provisória. Esperamos que isso aconteça até a primeira quinzena de setembro”, disse Serginho.

Os palestrantes e participantes discutiram temas polêmicos, como a proposta de Negociado sobre o Legislado, o Trabalho Intermitente, a Terceirização da Atividade-fim, dentre outros. Essa foi uma das diversas atividades realizadas pela Força Sindical Bahia sobre o tema das Reformas. A ideia da Central é que, a cada 15 dias, possa existir um debate sobre o atual momento sócio econômico do país e como isso interfere na vida dos trabalhadores e sindicatos. Outra sugestão é de que seja realizado um Seminário jurídico com MPT, advogados dos sindicatos e demais entidades sobre a nova legislação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *