Trabalhador que recusar vacina pode ser demitido por justa causa, diz Ministério Público do Trabalho

SSST do Sintepav BA realiza visita técnica no alojamento da empresa WMK Construtor
Secretário da Educação apresenta planejamento de retorno às aulas da rede estadual na Bahia
Ação social realiza entrega de cestas básicas em Ilhéus

09 de fevereiro de 2021
Fonte: Redação A Tarde

A Avaliação do Ministério Público do Trabalho é a de que a vacinação é um bem comumFoto: Tânia Rêgo | Agência Brasil

O Ministério Público do Trabalho (MPT) elaborou um documento com o objetivo de orientar a atuação de procuradores no que se refere à vacinação contra a Covid-19. De acordo com o MPT, os trabalhadores que se recusarem a tomar o imunizante, sem justificativa médica, podem ser demitidos por justa causa.

A Avaliação é a de que a vacinação é um bem comum. No entanto, a demissão por justa causa deve ser adotada em último caso, cabendo aos empregadores a tarefa de realizar campanhas de conscientização, envolvendo os sindicatos dos trabalhadores. As empresas também devem considerar o risco de contágio da doença nos programas de prevenção e incluir a vacina entre as medidas para garantir a saúde dos trabalhadores.

A medida segue decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que, em janeiro, determinou que o governo poderá impor penalidades a quem se recusar a tomar a vacina.

COMMENTS